quarta-feira, 6 de agosto de 2008

No name

Estarão já a pensar: "pronto lá vem a lamechice pelos animais". Mas o facto é que não posso deixar de divulgar casos a que não consigo ficar indiferente, procurando ajudar aqueles que não têm como se expressar, neste caso e mais vez, uma cadelinha.


Ora cá vai mais um apelo:

Ontem olhei para o jardim de uma moradia mesmo junto a minha casa, de onde se ouvia o ladrar de um cão pequeno.

Como eu personifico a lei de Murphy (em que tudo o que tiver de acontecer de mal, acontecerá), lá veio mais um dissabor.

Lá estava uma pequenina caniche branca, suja, presa a uma casota de cimento com uma corrente que pouco mais teria do que uns 70 cm.

Falei com alguém que passava e de imediato soube que o dono da casa enviuvara há pouco e se encontra bastante doente. Para além disso, a cadelinha nem é sua, tendo sido ali deixada por uma pessoa que emigrou há pouco.
Passado algum tempo e algumas voltas, acabei por saber que a pessoa em causa passava do outro lado do passeio, pois estará cá de férias.
Diriji-me à jovem que me confirmou as informações (mostrando-se algo insatisfeita com a interpelação). Disse-me que estivesse descansada que todos os dias alguém lhe ía dar comida e água e que a corrente era comprida, mas a cadelinha a enrolava. Claro que, à medida que ela falava, a minha indignação aumentava. Até que ouvi a frase aterradora: "A minha mãe até já me aconselhou a mandá-la abater, mas eu não concordei". Arrepios...
Mas que mal teria feito a bichinha para merecer tanto castigo e a pena de morte?
Claro que eu teria um monte de perguntas para lhe fazer a seguir, mas tive consciência de que a vítima seria o pobre animal. Assim, perguntei apenas: - Se eu arranjar que fique com ela, você dá-a? Resposta: - Posso dar, desde que seja alguém que a trate bem!!! A frase seguinte só podia ser: - Olhe, melhor do que você a tratou e está a tratar, qualquer anormal fará!. Mais uma vez tive que "engolir esse sapo", e responder apenas: - Combinado, então eu vou procurar dono!.

E pronto....cá estou eu a procurar um(a) dono(a) responsável e carinhoso(a) para uma pequerrucha amorosa (tem menos de 1 ano de idade), comprometendo-me (como vai sendo hábito), a ajudar no que estiver ao meu alcance, como contribuir em visita ao veterinário, tosquia e banho, deslocação, etc. (lembro que isto se passa em Vila Nova de Gaia).

Notas:
1 - O Gaspar, de que falo num post abaixo, já tem uma nova família, onde está feliz e tem espaço para brincar. Espero que tenha sido a última rejeição da vida dele.
2 - A gatinha de que falei no post de 07.03.08, a que foram literalmente arrancadas as patas da frente, acabou de ter uma ninhada, ou seja, mais uns quantos gatinhos para "carne para cão". E eu que pensava que a bichinha não tinha resistido pois não a vejo há meses...(contaram-me)c

31 comentários:

Carlos disse...

Olá,

Só quero deixar-te isto mesmo, por esses amigos de quatro patas:

OBRIGADO

beijinho

D.Antónia Ferreirinha disse...

Qual lamechice peloa animais?
Ainda bem que alguem se interessa verdadeiramente por eles.
Bem hajas.
O conteúdo do mail, está no meu post de hoje.
Beijinho.

MySelf disse...

Nem de propósito... o teu post vem de encontro a algo que me fez pensar sobre estas situações: estou a ler DESGRAÇA de J.M. COETZEE e ele descreve precisamente situações semelhantes...
Uma tristeza!

Beijinho

By myself disse...

Carlos:
Não tenho ajudado tanto quanto desejaria, pq infelizmente as entidades (in)competentes nunca colaboram, nem sequer funcionam.

D. Antónia:
Admitamos que eles merecem...mesmo. Acho que só quem algum dia aceitou um animal de estimação como membro integrante da família sabe do que falo.

Myself:
Desde que li "Marley e eu", jurei não mais ler nada que se relacione com animais. Costumo ajudar algumas causas na Associação Animal, mas não leio nem vejo brochuras ou folhetos. É mau demais para o meu cérebro. Os amigos costumam ligar a avisar para eu não ver certos programas ou telejornais que vão mostrar cenas bárbaras contra animais (tourada por exemplo)
Enfim...

Beijocas (1 para cada um)

Vertigo disse...

Um grande bem haja a ti!

*

Andreia Gordillo disse...

Realmente tanbém tenho muita penas dos animais...penso que se as pessoas são capazes de fazer mal às pessoas...imajine-se o que poderão fazer aos animais.

Por outro lado, não consigo deixar de pensar na quantidade enorme de crianças que são todos os dias mal tratadas e das pessoas que passam fome por esse mundo fora...desculpem-me a sinceridade !

Em relação às touradas...mais uma vez peço desculpa por ferir susceptibilidades...mas gosto.

Cumprimentos a todos.

Fénix disse...

Eu adoro animais, é sempre bom quando se pode dar-lhes uma vida melhor.
Parabens pelo blog.

By myself disse...

Vertigo:
Bog kiss

Andreia:
Quanto a crianças e todos os humanos que sofrem, não há dia em que não pense neles também. A diferença para mim é que se eu tiver conhecimento de maus tratos contra um humano sei a que organimos recorrer e acredita que já o fiz pelo menos 2 vezes. Se puder socorrer quem passe fome, tb o faço, e já o fiz MUITAS vezes.
Em relação aos animais, o problema é não haver quem os defensa, proteja, resgate....nada. Tem que ser puro altruísmo.

Quanto às touradas, desculpa a minha franqueza, mas gostar de ver um animal escorrer sangue, com ferros espetedos no lombo, contraria a tua afirmação de que tens pena dos animais. E mais do que pena, eles merecem respeito.

Mas sendo um gosto, nem devo discutir.

Bjs

Fénix:
É um facto.
Obrigada e beijinho.

Piloto Automatico disse...

Olá.
Obrigado pelos teus comentários.
Tens aqui uns contéudos com elevada nobraza de espirito e humanidade. Bravo!
"O nível de humanidade de uma sociedade avalia-se pela forma como tratam os seus animais"
Mahatma Gandhi

Bjs
F
PS: Foste linkada!

By myself disse...

Piloto:
Tb tenho tendência a avaliar o carácter das pessoas, com base na sua atitude perante os animais.
Tenho como ponto de referência a minha própria pessoa. Acho que melhorei como ser humano a partir do momento em que me comecei a relacionar com as várias espécies.

Beijinho para ti.

Luna Tic disse...

Agradeço-te da parte deles e da minha parte. Sinto-me cada vez mais triste com o que vejo, mas sinto-me reconfortada de cada vez que venho ao teu blog. É bom ver que nem toda a gente tem coração de pedra.
Isto também não é lamechice, é necessidade. O mundo não se torna melhor se acabarmos só com as guerras e com os conflitos. Há uma grande batalha que se trava todos os dias nas ruas do nosso país e nas de outros também. Ninguém pode ser totalmente feliz enquanto esta situação persistir.

"O nível de humanidade de uma sociedade avalia-se pela forma como tratam os seus animais"
Mahatma Gandhi

Acho que nós (humanidade) é que somos os animais...

Beijo* (espero que a caniche tenha encontrado uma nova casa)

mjf disse...

Olá!
Vim agradecer e retribuir a tua simpatica visita ;=)
Gostei do que li , essencialmente da tua sensibilidade para com os animais, assim houvsse mais gente neste país...
Voltarei

Beijocas e bem hajas

By myself disse...

Lunatic:
Infelizmente a cadelinha continua no local que escolheram para ela. Não está a ser fácil fazer contactos...é tempo de férias!
E nestas coisas, não vale entregar a um(a) qualquer. Requer avaliação para minimizar as probabilidades de que se repita.
O pior é que o tempo vai passando.
Se souberes de algu´m, ela agradece.

Beijinho

By myself disse...

Mjf:
Há sim mais gente com sensibilidade neste país. Exemplo? Tu!
Obrigada pelas palavras e felicidades para ti.

Bjs

TeddyLover disse...

Após ter visto o teu comentário no meu Blog, não pude de deixar de pensar:
1. Será da idade?
2. Será do signo?
3. E não é que o meu filme preferido tb é "A vida é Bela"...!!!...
Podes contar comigo também, como deves imaginar. Não é fácil, mas entre todos é mais possível.
Concordo contigo quando dizes que eles, para além de serem seres dependentes, ainda por cima não têm quem os defenda. Eu também não consigo vêr as atrocidades que se fazem contra os animais, nem lêr. Eu comparo-os aos bebés, seres inocentes e completamente dependentes de nós. MERECEM TUDO DE BOM. BEM HAJAS.

titofarpas disse...

Parabéns pelo blog. Adorei

By myself disse...

Teddylover:

É verdade...que coincidência! Quatro pontos em comum, assim: de uma assentada.

Obrigada pelo teu apoio. Eles contam connosco, pelo muito que nos dão.

Beijinhos



Titofarpas:

Um beijinho para ti e muito obrigada.

Atever disse...

Pena que não se possa mandar abater algumas pessoas... O Mundo está tão lotado que umas bestas a menos nem se notaria...
Também gostaria de poder ficar com todos os animais que vejo abandonados mas é impossível... acabei de chegar do Algarve onde ouvi horrores. Imagina que no fim de Agosto as pessoas deixam por lá cães, gatos, gaiolas com pássaros, hamsters, porquinhos da Índia...
Cambada de idiotas!
Beijo.

Whispers in night disse...

Ola!

desejo sinceramente que já tenham arranjado casa para a cadelinha

Era preciso neste mundo haver mais pessoas como tu.

Em nome dos animais que eu também adoro o meu muito obrigado por existires

Um bom restante de fim de semana

Beijos
Rachel

By myself disse...

Atever:
Imagino que tenhas sabido de horrores. Há bestas que para se gabarem de terem ído passar uns dias fora de casa, esquecem tudo (até que vão andar a comer merda o resto do ano). Os animais (que também compraram ou arranjaram para fazer ver ao vizinho), são sempre as vítimas. Se os obrigassem o colocar o chip, pelo menos saberiam que podiam ser incomodados. Mas não há tomates, né?
É uma tristeza, mesmo.
Em relação a esta cadelinha, mais uma vez fico com a sensação de que por vezes a minha iniciatva de ir falar com os donos maltratantes, ainda prejudica mais os pobres animais. Desta vez, a cadelinha (para quem já tinha arranjado dono), já não está na referida vivenda. Receio pelo que lhe tenha acontecido. Já há tempos, interpelei umas bestas que tinham um husky numa varanda exígua ao sol e à chuva e vim a saber que o tinham encarcerado num quarto do apartamento.
Começo a achar que é melhor estar quta e calada, porque é uma luta inglória.

Bem...beijitos

By myself disse...

Whispers:
Tal como podes ler na resposta ao coemntário do Atever, não sei como estão as coisas para já. Espero qu a gaja tenha tido consciência e a tenha dado a quem a trate de facto bem. Assim espero.
Hoje fui lá e já não a vi.

Beijinho

Atever disse...

Na minha rua está um caniche numa varanda igual à minha, virada a sul e ao sol do meio dia, que poucas vezes vi na rua.
Compreendo que as pessoas trabalham e só chegam a casa ao fim do dia mas um animal "educado" pode ficar perfeitamente dentro de casa sem estragar nada.
Depois acho que antes de se tomar a decisão de adoptar ou comprar um animal, devemos pesar todas as vantagens e desvantagens para mais tarde não nos virmos a arrepender com o animal a sofrer as consequências.
Estive duas semanas no Algarve e tive de me sujeitar a pagar mais por um apartamento onde fosse permitida a presença de animais.
Nunca, a não ser ao fim da tarde, levei a minha cadela à praia. Acho que ela iria sofrer mais com o calor do que sofreu por ficar em casa duas horas de manhã e duas de tarde e além disso não me acho no direito de impor aos outros utentes da praia a presença do meu animal. Nem por isso ela deixou de usufruir de longos passeios sem trela, porque é um animal inteligente que consegue acompanhar-me sem trela mesmo dentro da cidade de Lisboa. E não é de nenhuma raça daquelas que normalmente se oferecem aos meninos porque parecem de peluche. É uma rafeira meio pelo de arame, procedente de uma ninhada nascida de mãe “vadia” (vadios foram os que a abandonaram), salva por crianças de uma morte lenta pela fome e pela doença, destino de muitos animais na mesma situação.
Não dorme comigo na cama nem partilha o meu sofá mas tem tudo o que um animal precisa para ser feliz e o seu “sorriso” permanente é bem a prova disso. E não defeca no passeio nem no jardim porque me dou ao trabalho de a levar antes aos baldios.
Enfim, não nos podemos esquecer que estamos em Portugal onde a inteligência de algumas pessoas continua a estar alguns degraus abaixo da dos cães eheheh.
Beijinho.

anad disse...

Bem haja amigo. Não suporto algumas animalárias que se designam por humanos. Eu sempre tive cães e ainda tenho de grande porte, por isso dificilmente posso adoptar outros, mas tenho socorrido vários. bem haja.
Saudações
Anad

By myself disse...

Atever:
Se quiseres mandar-me por mail a direcção dessa casa onde está o caniche, terei todo o gosto em enviar uma cartinha a esses donos.
Tenho usado esse método e tem resultado em alguns casos. Como já disse antes, o meu receio é de que por vezes, o destino que dão aos animais (ao sentirem-se pressionados), é-me desconhecido.
Afinal quem é sensível e inteligente não precisa de ser lembrado das obrigações que deve ter para com o animal, e das necessidades básicas do mesmo.

O meu é para mim uma pessoa, porque me tem dado mais do que muitas pessoas.
Ele conquistou esse estatuto e por assim ser e merecer, dorme na minha cama, e vai à maioria dos sítios onde o proibem de entrar. Hotel, restaurante, praia, etc. Como é bastante "portátil" e discreto, normalmente não dão pela presença..ehehheh.

Beijocas para ti e para a tua fofinha.

By myself disse...

Anad:
É de facto difícil resistir à tentação, mas todos temos que respeitar os nossos limites (de espaço, de tempo, etc). Se não fizermos, acabamos por prejudicar os animais que já temos, alterando as condições que lhes proporcionámos. Assim, temos que ajudar à distância, dentro do que nos fôr possível.

Beijinho e obrigada

Carlos disse...

não resisti a vir cá de novo .
hoje vi na tv que na zona do Porto o abandono de animais decresceu, para além eventualmente dos donos começarem a ter mais consciência, tenho a certeza absoluta que são as pessoas como tu que tornam tudo isto realidade.

Beijinho

Anónimo disse...

Ola querida amiga! mais uma vez ai estas de armas a lutar por uma causa que a muito deveria ser entendida. Enfim quando os humanos comecarem a respeitar-se a eles mesmo talvez ai tb possam enter os direitos dos animais, mas ate la, que esperar? Quando temos gente a matar gente sem razao aparente, temos gente que compra um par de sapatos por 25.000 dolars e gente que morre de fome, doencas. Eu ou tu nao poderemos fazer nada por essas causas, sao causas demasiado grandes, mas se poder-mos fazer algo para apelar para a injustica que e o mau trato de animais, eles nao tem como se defender, nao com palavras, se defendem de outras formas as quais nos chama-mos ferozes, que chama-mos nos quando vimos alguem a bater, a mal tratar um animal? e a mal tratar um de nos mesmo? animalescas, acho que nao esta correto vamos chama-las de homelescas, porque o homem sem sem duvida o ser mais perigoso ao e feroz ao cimo da terra.


PS.uff desculpa o desabafo, mas estou um pouco desapontada com a nossa raca.
Tem uma boa semana.
CP

By myself disse...

Carlos:
Quem dera que fosse uma questão de consciencialização. Infelizmente pode ser apenas uma questão adiada. É que me perece que este ano a cidade tem estado mais cheia do que é habitual, o que pode representar ter ído menos gente de férias, e daí não terem abandonado os animais. Vamos pensar que não...
Beijinho

By myself disse...

CP:
Amiga, tens carradas de razão.
O facto de o comentário ser longo (como dizes), mostra bem a tua revolta. Mas vamos fazendo a parte que nos fôr possível, e sobretudo deixarmos a mensagem às crianças das nossas famílias (ao contrário dos frustrados que as levam às touradas).

Beijocas e montes de coisas boas.

Oliver Pickwick disse...

Admiro o seu espírito generoso. Imagino a satisfação que tais "missões" lhe propiciam.
Um beijo!

By myself disse...

Olá Oliver:

Dão-me também muito sofrimento.

Beijinhos